Homem-Citação

Estou de saco cheio do hermetismo pretenso-artístico. Quero a arte consumível pelo povo. Estou de saco cheio dos intelectuais da arte. Iluminados que vivem de uma suposta capacidade de avaliar e entender a arte, que nos falta, aos seres humanos comuns. A arte que nos falta. Estou de saco repleto do saber que pretende o poder. Carrasco das emoções. Que disseca e destrói em vez de sentir. Que não se diverte. Que senta-se na platéia para mostrar-se. Morte aos homens-citação com suas caras desbotadas onde falta sangue. Estes que se apropriam da obra do artista, nascida popularmente do rio que corre no quintal de todos nós, e trancam-na numa maldita caixinha de vidro, e cercam-na de uma complexidade repulsiva, e sufocam-na com barricadas de livros inteligentes, e pós graduações lá nas faculdades de nome bem difícil, e colocam-na em um maldito pedestal apenas porque isso os eleva. Não amam a arte ou o artista e sua obra. Amam este degrau que acreditam ter alugado no pedestal da arte. Num tempo em que os artistas morrem de fome de público e de comida, investem na arte para poucos e rotulam o resto de "comercial". Sejamos comerciais como o feijão e o papel higiênico. E que o povo venha engolir e limpar a bunda com a arte.
*
*
*

Comentários

  1. Ai que delícia!!!!!!!!!!!!!!
    Ai que verdade!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Como os 'próprios' bradariam: "BRAVO!!!" ...lindo!

    ResponderExcluir
  3. Apoiadíssimo!!! E viva a teledramaturgia...rs! Bjos!

    ResponderExcluir
  4. sim, sim, sim, sim, sim, sim!!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Para o meu fantasma

Estranha Paz