Pular para o conteúdo principal

Outra Vez

Releva. Releva outra vez. E quando parecer demais, releva de novo. A maturidade expõe nossa arca de tesouro cheia de irrelevâncias preciosas. Coisas inadmissíveis que o arroz com feijão da existência vai mostrando que sim, podem ser. Eu era jovem e cheia de orgulho. Gente orgulhosa carrega um não sei quê de desvalia. Tinha uma fachada relevante aos 20, aos 30 anos. Hoje, um ser humano num dia ruim mija de maldade na minha fachada, e a voz da senhora lá dentro repete: releva, isso sai com um paninho úmido, releva, não invente batalhas inúteis, era um dia ruim, vá, releva. E é verdade: sai com um paninho úmido. E minha fachada pode ficar mijada um ou dois dias também. Paciência. A mancha amarela escorre para a calçada mas não me mata. Desvio os olhos para o amanhã. O outro está num dia bom e me sorri. Não veio com seu paninho lustrar meu muro, não caiu de joelhos pedindo perdão, não se martirizou com chicotadas nas costas e eu não venci. Apenas sorriu. Espero mais um ou dois dias para pedir ao outro, da forma mais doce possível, que não mije ali, que me dói. Mas não levo nenhum contrato pra ser assinado. Relevei realmente, não carrego mais contratos que me assegurem. Carrego baldes com paninhos que são imensamente mais leves. Há limites e o essencial está bem guardado longe de todo este barulho da superfície. O relevante. O mais importantes que o outro. Minha alma.
Dias ruins estão garantidos no calendário, virão. Espiarei dona alma na hora da dor e, se ela deixar, seremos tolerantes, e esperaremos o mijo trasmudar-se em sorriso uma outra vez.
*
*
*

Comentários

  1. Nana...

    ...traduz exatamente a fase da minha vida que estou vivendo.

    Sensível e tocante, com um exemplo que marca a dor de sermos agredidos e desrespeitados.

    Mostra muita vivência e experiência de vida de uma alma nobre.

    Beijo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não tem conta Google? Assine, clique em ANÔNIMO e em PUBLICAR. É fácil! Bjooo.

Postagens mais visitadas deste blog

Amar não basta

Amar não basta. Gravo a mensagem no whatsapp e envio para a amiga. É uma faca no estômago, eu sei. Tantas pessoas se separam se amando. Eu mesma já fui embora arrastando o coração pelos cabelos umas duas vezes. Doloroso demais. Cruel demais. Mas acontece de as possibilidades se esgotarem, de fato. Acontece de precisarmos estar sós naquele trecho da estrada. Acontecem estradas diferentes com interseções que nunca mais se repetem.  Acontece de a dor ficar insuportável. E então a morte se impõe, mas nem sempre a aceitamos de pronto. Acontece de, primeiro, tentarmos blefar o adeus. Vivenciar o fim com a certeza de que o navio não deixou o porto. Ir sem ir. Começa o vai e vem sofrido: separa e uiva de dor, volta e uiva de prazer. Nada como voltar do fim: uma bomba de serotonina. Mas a volta não é inteira, não é a que planejávamos, e logo a falta se apresenta, e a dor retoma o palco e ensaia um novo adeus. Amar não basta, amiga. É preciso amar-se junto. Senão o outro vira eterna ameaça de …

Estranha Paz

Ah, esta paz de me sentir só que dá até medo. Estou sentada no restaurante, indecentemente só. Não pertenço a nenhum quadro. Nenhuma moldura me contém. Não sou sua mãe, sua esposa, sua amante, sua amiga. Sou folha seca na ventania lindamente desgovernada. Que medo de enlouquecer e sair vagando pela rua. Largar o carro. Ir andando até uma rodoviária. Comprar uma passagem para o nada. Virar pessoa desaparecida, forasteira, perder as referências, escafeder, sumir do mapa. Todos viajaram. Faz uns dias que estou só. Devolvida à minha pureza sem demandas. Sem idade, sem rugas, sem pressa, sem expectativas. Este prazer na solidão que me assusta. Só eu no restaurante atrás de uma caneca de chope. Um cara no piano tocando jazz. E não falta nada. Meu Deus, preciso confessar e é terrível: não falta absolutamente nada.  * * *

O fim da geração jeitinho

É difícil criticar um quadro estando dentro dele. Mas, vamos lá: eu pertenço à geração jeitinho. A uma das muitas gerações jeitinho. Fui paulatinamente estragada por um excesso aprendido de condescendência. Tenho amigos médicos, dentistas, motoristas de ônibus, publicitários, atores... nascidos e criados na cultura do jeitinho. Crescidos na catequese implacável do jeito correto de fazer as coisas, mas ouvindo, lá no fundo, o canto da sereia do jeitinho. Em caso de deslize extremo, complexo, ele estaria lá, sempre à mão e eu sempre soube: o jeitinho. Pra tudo existe um: eu me tranquilizava. O “não” é um troço elástico, manipulável. Depende de quem eu sou, quem eu conheço, da minha patente, de quanto eu tenho, do meu cargo. Sou da geração que endossa privilégios, focada em me tornar um dos privilegiados e não em acabar com eles. Tentando um emprego público para me acomodar, não para servir ao público. Olhando o serviço público com a lente distorcida do privilégio. O salário caiu na con…